Buenas Gauchada de Alvorada, do Rio Grande e de toda esta terra em redor que chamamos de mundo!

Nosso comunicador Valdemar Engroff, depois de passar o dia fazendo cobertura da grande festa da Paróquia Santa Heviges, para a ZYU 395 – a Rádio Acácia FM – a primeira de Alvorada, no final da tarde do domingo, dia 22 de outubro, se deslocou até o galpão do CTG Amaranto Pereira.

Segundo o edital de eleições, que foi publicado na imprensa da cidade (Jornal A Semana) e nas mídias sociais da entidade, CONVOCOU os associados em dia com as suas obrigações, para a eleição de nova patronagem, programada para este dia (22 de outubro) no galpão de eventos, das 9h às 18h.

Concorreram duas chapas – pela primeira vez na história da entidade, que foi fundada no dia 04 de novembro de 1993. A chapa 1, encabeçada pelo tradicionalista e um dos comunicadores (momentaneamente afastado) da Rádio Acádia FM – Adair Rocha, saindo-se vencedor no embate eleitoral. E a Chapa 2 foi encabeçada pelo Sr. Ogando Clovis da Rocha.

Um pouco da História do Amaranto

A comunidade do Parque Residencial Algarve, em Alvorada, teve a oportunidade de ver o nascimento do seu CTG em 1993. Durante o mês de outubro, Alfredo de Mello de Susell, Flávio Piassini e Volmar Berner, lideraram um movimento no bairro, com um abaixo assinado, onde foram conseguidas 516 assinaturas, com vistas à criação e fundação de um CTG. A primeira reunião aconteceu no dia 4 de novembro de 1993, às 20h30min, na Rua 24 (atual Rua Hermínio Rodrigues Machado), 389. Nesta mesma reunião foi aprovado o estatuto e a formação da primeira patronagem, assim constituída:

  • Patrão – Alfredo de Mello Susell
  • Patroa – Flora Susell
  • 1º Capataz – Fernando Ramalho Forni
  • 2º Capataz – Osmar de Moraes Charão
  • Sota-Capataz – Heraclis José Almeida Barreto
  • Agregada das Guaiacas – Vera Ramalho Forni
  • Diretor de Patrimônio – Hermínio Rodrigues Machado

Em seguida aconteceu a posse dos eleitos, que imediatamente assumiram os seus cargos. Em 3 de dezembro do mesmo ano, no mesmo lugar, aconteceu a segunda reunião. A terceira aconteceu no rancho do Diretor de Patrimônio, Hermínio Rodrigues Machado, na Av. B (atual Av. Zero Hora).

A quarta reunião aconteceu no galpão crioulo localizado nos fundos do rancho do 2º capataz Osmar de Moraes Charão, que a partir de então se tornou sede provisória, até meados de 1997, situado na Rua 16 (atual Rua Maria Odete de Oliveira Charão), nº 144. Nesta reunião foi escolhido o lema do CTG: “A paixão de um gaúcho pelo seu chão é o que salva a Tradição”, de autoria do sócio fundador Julio Bordignon. Também neste dia foi escolhido o brasão do CTG, de autoria de Maurício de Ávila Fraga. No dia 7 de maio de 1994, foi realizado o primeiro jantar-baile, no galpão do CTG Chilena de Prata, que foi cedido sem ônus. A animação foi com o Grupo Pampa Livre, que atualmente se denomina Leandro Berleze e Grupo Beira d’Estrada. Os primeiros coordenadores de invernadas do CTG foram o sócio fundador José Carlos Dorneles e a esposa Gladis Terezinha Rodrigues Dorneles. O primeiro ensaio e inscrições para as categorias mirim e juvenil aconteceu na garagem de Nilo “Gaudério”, na Rua 25 (atual Rua Pedro Cláudio Monassa), nº 510, no dia 13 de setembro de 1995.

Neste mesmo dia as inscrições chegaram nos seguintes números: 19 na categoria juvenil e 40 na categoria mirim. Neste mesmo dia foi feito o primeiro ensaio com estas crianças, pelos posteiros Everton Luiz de Almeida, Cícero Augusto Sales da Rocha e Cidele Rodrigues Dorneles (com apenas 14 anos de idade). A primeira apresentação das invernadas para o público tradicionalista aconteceu no “saibro”, na atual área do CTG, num almoço “a céu aberto” e a primeira festa planejada pelas invernadas aconteceu no dia 10 de dezembro de 1995, no antigo salão da Capela Santa Hedviges (atual paróquia), onde se apresentaram em público pela segunda vez.

Em 1994, no primeiro ano de fundação do CTG, foi conquistado o primeiro troféu, no Campeonato Municipal de Bocha, onde foi conquistado o Troféu Participação. Em 1995 foram nomeadas as primeiras prendas, para o mandato 1995/1996, tendo como madrinha Cidele Rodrigues Dorneles, Prenda Juvenil do CTG Chilena de Prata.

  • 1ª Prenda – Adriana Fraga
  • 2ª Prenda – Caroline da Silva

O “porque” do nome

O nome “Amaranto Pereira” é uma homenagem que os tradicionalistas locais prestaram àquele que foi um dos mais autênticos gaúchos que o Rio Grande conheceu. Cria de Encruzilhada do Sul (5ª RT do MTG/RS), muito abrilhantou bailes de surpresa, em sua cidade, na grande Porto Alegre e na própria capital. Apresentou-se em diversos programas radiofônicos, em especial no “Grande Rodeio Coringa”, da Rádio Farroupilha, apresentado pelos saudosos Darcy Fagundes e Luiz Menezes.

Bueno! O chasque acima é parte da história desta pujante entidade tradicionalista, que foi parar nas páginas do Livro Raízes de Alvorada, nas páginas 562 a 572, em 2005, escrito a quatro mãos por Valdemar Engroff, Ocimar de Oliveira Charão, Osmar de Moraes Charão e Alfredo de Melo Suzel. Este projeto (do livro), foi coordenador por Vera Lúcia Maciel Barros.

Patronagens do Amaranto

O CTG Amaranto Pereira teve os seguintes Patrões (com os respectivos retratos abaixo): Alfredo de Melo Suzel; Osmar de Moraes Charão (com a esposa Odete de Oliveira Charão – ambos in memóriam); Fábio Ramirez; José Carlos Dornelles (tocando gaita); Ocimar de Oliveira Charão (Lula); Dilson Mello; Geovani Lemann; Ari Girelli; Orlando Kunzler (com a esposa Ione Kunzler) e Rodrigo Machado (com a esposa Libra Severo).

Fandango de Posse

No dia 04 de novembro, dia em que o CTG Amaranto Pereira comemora o seu 24º aniversário de fundação, vai acontecer o fandango de posse do Patrão Adair Rocha e sua patronagem, que será animado pelo Grupo Marca de Campo.

A Rádio Acácia FM, a primeira de Alvorada já está comprometida em fazer a cobertura deste grande evento, com os comunicadores Ricardo Gonça e Valdemar Engroff.

Até a próxima oportunidade gauchada de Alvorada, do Rio Grande e de toda esta terra em redor que chamamos de mundo!

Deixe sua mensagem